Geral

DECISÃO JUDICIAL

Urbana terá que pagar mais de R$ 560 mil atrasados a prestadora de serviços

Empresa realizou serviços de manutenção de contêineres

Por Redação

16 de abril de 2019 | 10:14

Foto: Reprodução

A Justiça do Rio Grande do Norte condenou a Companhia de Serviços Urbanos de Natal (Urbana) a pagar uma dívida de R$ 560.001,78 para a empresa Molok Serviços Ambientais, que prestou serviços de esvaziamento de contêineres e não recebeu pelo trabalho. A decisão foi do juiz Marco Antônio Mendes Ribeiro.

A empresa entrou um ação de cobrança contra a Urbana alegando que firmou contrato público para prestação de serviços especializados de implantação, fornecimento, manutenção e operação de esvaziamento de contêineres semienterrados.

No processo, a Molok alegou que, após a contratação, realizou todos os serviços e encerrou as atividades em 13 de agosto de 2013. No entanto, alguns pagamentos ficaram em aberto, sem providência da Urbana.

A instituição pública se defendeu dizendo que o último aditivo ao contrato celebrado entre as partes ocorreu em na data mencionada acima, o qual teria sua vigência até a data de 4 de março de 2013, e que poderia ser prorrogado por uma última vez até a data de 04 de agosto de 2013, caso a empresa apresentasse os documentos necessários a formalização do ato, o que não ocorreu.

Julgamento

Ao analisar os autos, o magistrado verificou que a empresa conseguiu comprovar o fato constitutivo do seu direito no momento em que juntou aos autos as peças/faturas referentes a prestação do serviço com sua devida pesagem e as Notas Fiscais com o valor correspondente aos das faturas das quais deram origem à dívida cobrada nos autos.

O juiz disse que o simples fato da Urbana ter impugnado a contratação dos serviços, não pode ser levado em conta por ele. Isto porque o contrato não foi objeto de um incidente de falsidade e também, em virtude das notas fiscais apresentarem requisitos necessários a demonstrar a existência dos débitos.

Explicou que, pelo que se depreende dos autos e pelas provas anexadas, ficou incontroverso que houve a prestação do serviço por parte da empresa Molok, sem a devida contraprestação por parte da Urbana. Para ele, a empresa pública não se desincumbiu do ônus processual de comprovar estar em dia com suas obrigações.

“Nesse sentido, pelo que existe o direito do autor de cobrar o adimplemento do convencionado, posto que nos pactos marcados pela autonomia da vontade a regra é a obrigatoriedade contratual”, comentou. Segundo o magistrado, o julgamento de improcedência da ação representaria um enriquecimento ilícito por parte da Urbana, haja vista a contratação e realização de serviço que beneficiou toda a coletividade, sem que tenha havido a correspondente contraprestação financeira.

“Portanto, o cotejo fático e jurídico em tela não suscita dúvidas quanto ao dever de pagamento por parte do réu devedor, conforme pactuado, valor este no montante de R$ 560.001,78 (quinhentos e sessenta mil, um real e setenta e oito centavos)”, decidiu.

RECOMENDAMOS

EVENTO

Palestra discute situação do Instituto Santos Dumont

BALANÇO

Saldo de empregos tem pior mês de março desde 2016

PRAZO ACABANDO

Mais de 320 mil ainda não pagaram o IR de 2019 no RN

SUSTO!

Moradores confundem fogos com alerta de evacuação

BENZA DEUS!

Cauã Reymond posta foto sexy e tamanho choca seguidores

'DESERTO'

Pregão que Estado usaria para pagar servidores fracassa

MAIS TEMPO

Emissão de RGs terá horário ampliado no RN

TRÂNSITO SEGURO

STTU leva a campanha Maio Amarelo ao Mercado Bem-Te-Vi

comentários