Brasil e Mundo

EM ESTUDO

Vacina contra chikungunya é testada em humanos

Testes são feitos em 24 voluntários no Reino Unido

Por Vinícius Lisboa / Da Agência Brasil

11 de maio de 2019 | 10:36

Doença é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti - Fábio Rodrigues Pozzebom ABr

Pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, já realizam testes em humanos para obter uma vacina segura e eficaz contra a chikungunya. O estudo foi apresentado ontem (10), no Rio de Janeiro, pelo infectologista mexicano Arturo Reyes-Sandoval, no Simpósio Desafios e Oportunidades na Pesquisa Clínica em Chikungunya: Produzindo Evidências para Saúde Pública.

A vacina contra o vírus da chikungunya já está em testes em 24 voluntários no Reino Unido e deve passar por uma nova rodada de testagens ao longo do ano que vem, com entre 120 e 150 pessoas no México. Arturo conta que os testes realizados atualmente buscam uma dosagem eficiente para a imunização, que já demonstrou não apresentar efeitos adversos. O estudo no México deve avaliar também a possibilidade de uma vacina que combine a imunização da chikungunya e da zika de forma segura. Caso a pesquisa caminhe no melhor dos cenários, estima, uma vacina contra a doença pode estar disponível em cinco anos.

O pesquisador afirma que, ao contrário de outros vírus, o da chikungunya tem uma capacidade limitada de mutação, o que permitiu que os pesquisadores mapeassem todas as suas formas registradas e criassem uma vacina com base em uma sequência genética que abrange todas e permitisse precaver futuras mutações.

“Estarmos um passo à frente do vírus”, comemora Arturo. Ele afirma que o principal entrave para os avanços no combate à doença eram a falta de conhecimento e de financiamento para as pesquisas. “Historicamente, a grande dificuldade foi a falta de interesse. Agora, a chikungunyua está em muitas partes do mundo e está chegando à Europa. Isso favorece o financiamento.”

A presença do vírus no Brasil e a capacidade de instituições como o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz fazem com que o país seja um importante parceiro para o futuro das pesquisas desenvolvidas em Oxford, aponta Arturo Reyes-Sandoval.

“Depois de testarmos no México, considero que o país mais importante para finalizar esse desenvolvimento é o Brasil. O Brasil tem capacidade econômica e instituições fortes para poder produzir a vacina.”

RECOMENDAMOS

Tragédia

Vítima de acidente fatal era rainha de carnaval

TRAGÉDIA

Mulher morre em acidente no 'Prolongamento da Prudente'

EDUCAÇÃO

UERN abre processo seletivo para contratar professores

FUTEBOL

América empata e segue invicto na Série D

VIOLÊNCIA

Após briga de faca entre alunas, escola convoca reunião

GRANDE NATAL

Prefeito sanciona Lei do Plano de Cargos da Saúde

VIOLÊNCIA

Jovem é encontrado morto com mãos e pés amarrados

ALUNO POR UM DIA

Dorgival realiza sonho, e aula na UFRN termina em forró

comentários