Geral

DESPEDIDA

Velório de cantor morto em assalto tem silêncio, lágrimas e revolta

Missa será às 8h, no ginásio do IMA, e o sepultamento será às 10h, no Cemitério Parque da Passagem

Por Heilysmar Lima

4 de abril de 2018 | 19:52

Silêncio, tristeza, dor, lágrimas e, principalmente, revolta. Esses foram os sentimentos que marcaram o início do velório do cantor e professor Alex França. Pouco a pouco, familiares, amigos e alunos foram preenchendo os espaços vazios do ginásio.

A cerimônia está sendo realizada no ginásio de esportes do Instituto Maria Auxiliadora, na zona Leste da capital. No local, familiares, amigos, fãs e alunos prestaram suas homenagens a França.

No centro da quadra, Alex recebe as últimas homenagens. No período em que a reportagem do portalnoar.com.br esteve no velório, era possível ouvir, ao fundo em meio ao silêncio, o choro inconsolável de alguém que, notoriamente, sofria com a partida repentina do jovem músico e educador.

A todo instante mais pessoas chegam para o último adeus. A cada lamentação de um familiar, amigo, fã ou aluno, a dor é replicada para todos os presentes.

Abalados, os familiares não continham a emoção. Jarbas França é primo de Alex e destacou que o que fica é o sentimento positivo. “Ele sempre buscava ajudar ao esporte, era um cara batalhador, sempre animado. Fica a lembrança gostosa dele”, declarou com o olhar tomado por lágrimas.

Jarbas ainda acrescentou que o jovem músico deixou seu legado de feitios positivos. “Nunca fez mal a ninguém. As redes sociais mostram o quanto ele era querido por todos. Ele era só alegria. A gente fica triste com essa situação”.

Ele ainda se mostrou preocupado com a insegurança em Natal e pediu providências.

“Chegou numa situação que a gente tem que rezar para não ser o próximo. É isso que vem acontecendo na nossa cidade. É triste. Os órgãos competentes precisam tomar alguma providência. A situação está cada dia pior. O medo de sair de casa não é só meu, é de todos”, protestou.

O coordenador de esportes do Auxiliadora, Roberto Calmon, relembrou de Alex como um educador nato. “Era um professor que usava a palavra com nostalgia, com excelência, muito bem preparado. Ele deixou o legado dele dentro do coração de cada um que passou por ele”, conta com os olhos marejados.

Para ele, o sentimento é “de injustiça, decepção de como um mundo está nos dias de hoje e de achar que não conseguimos fazer mais nada”, disse.

O sepultamento está marcado para as 10 horas desta quinta-feira (5), no Cemitério Parque da Passagem. Antes, uma missa de corpo presente será celebrada, às 8 horas, no mesmo local do velório.

O crime

Alex França foi morto na noite dessa terça-feira (3) após uma tentativa de assalto. O cantor, que também é professor de educação física, estava na casa de um amigo e saía para a faculdade, quando três homens chegaram de surpresa e pediram a chave do carro. Eles deitaram as vítimas no chão e retiraram a chave do bolso de Alex e na fuga atiraram em suas costas.

Alex França foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento da Cidade da Esperança, também na zona Oeste e transferido para o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel. Ele chegou a unidade consciente, mas antes de a cirurgia começar, não resistiu aos ferimentos e faleceu.

RECOMENDAMOS

ATRITO

Presidente precisa parar de falar que é contra reforma

ENTREVISTA

'O governo é um deserto de ideias', afirma Maia

PREVIDÊNCIA

Parlamento "fará sua parte" pela reforma, diz Marinho

EDUCAÇÃO

Governo convoca mais 380 professores para rede Estadual

ANFETAMINAS

PRF apreende carreta com excesso de peso

DECISÃO

AL promulga lei que garante 13º e férias para deputados

TRAGÉDIA

Chega a 417 número de mortes em Moçambique após ciclone

SEGUE DETIDO

Marcelo Bretas decide manter prisão de Michel Temer

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL